VOCÊ ESTÁ LENDO

Gigante em todas as fronteiras

Gigante em todas as fronteiras

De um lado casas. De outro, árvores de todos os tamanhos que seguem pela estrada Castelo Branco ditando um caminho de cem quilômetros que desembocará em uma das cidades mais famosas do interior paulista. Roma Brasileira? Berço do exagero? Casa dos barões do café? A Fidelíssima? Tantos são os títulos dados a uma região que exerce importante função na história do país que um dia já lhe foi contada. Aqui, é Itu, cidade no Estado de São Paulo, que em ritmo pacato ensina a todos os seus diferentes visitantes como a vida pode ser maravilhosa. Afinal, como não apreciar o dia-a-dia de um lugar que tem todo o seu funcionamento acolhido por praças arborizadas, casinhas coloridas, ruas sempre limpas, sem contar, as doçarias, cervejarias, restaurantes… Se tal cenário dista da perfeição, é, ao menos, uma boa pista.

MAIS QUE HISTÓRIA
Fundada em 1610, por Domingos Fernandes, Itu conserva traços históricos em todos os seus arredores. Entre imensos casarões e palmeiras imperiais estão guardadas as contribuições deixadas por cidadãos portugueses, italianos e japoneses que participaram da evolução da cidade. É o caso da Fábrica São Luís, distribuída por dois quarteirões, entre a Praça Dom Pedro I e a rua Paula Souza, e em pleno funcionamento em 1869 como a primeira fábrica de tecidos movida a vapor de todo o Estado paulista. Atualmente, um espaço de exposições e de eventos, a antiga indústria é recortada por grandes janelas, e, em seu interior, mantém máquinas e caldeiras importadas da Inglaterra e dos Estados Unidos que datam do período de inauguração.

Não muito distante dali, reina a Casa Imperial. Originalmente construída a pedido de Francisco Paula Souza e Mello, em1881, a residência acolheu no ano de 1884 a Princesa Isabel e o marido Conde D’Eu, em passagem por Itu. Sentado, diante da casa restaurada pela Família Caselli, o tempo corre numa mistura de vislumbre e devaneios: afinal, como não imaginar as cenas vividas quando por ali eram comuns os reis, rainhas, princesas… A caminho do centro, por ruas que mesclam paralelepípedos e asfalto, novas doses de história chegam aos olhos, na forma do Museu Republicano Convenção de Itu – palco para a criação do primeiro partido político brasileiro, em 1873, e atual responsável pelo acervo da memória ituana – e do Museu da Energia, recoberto de azulejos portugueses, onde é possível ver a coleção de peças que remontam o desenvolvimento da energia elétrica no Brasil até os dias atuais.

Frente a tantos reflexos do passado, as imagens fotográficas vão surgindo na mente e na tela da máquina. Melhor do que a infinidade de fotos que serão levadas para casa, é provar alguns dos sabores deliciosos das docerias e do cachorro-quente da esquina, enquanto se admira o Conjunto Arquitetônico do Século 19, composto de casas coloridas que fundem detalhes arquitetônicos referentes ao século em questão, junto de calhas de água adornadas e condutores de querosene, para iluminação. Enfileiradas lado a lado, as casas repousam no cenário da rua Madre Maria Theodora esquina com a praça Padre Miguel.

ROMA BRASILEIRA
Se a série de edifícios antigos faz de Itu uma cidade historicamente privilegiada, a sua diversidade de igrejas contribui para o título de Roma brasileira. De norte a sul ou de leste a oeste, o território ituano revela sempre um novo templo religioso. É o caso da majestosa igreja matriz Nossa Senhora da Candelária, concluída em 1780 e um dos principais exemplares do chamado barroco paulista. De grandes proporções, a igreja em tons de amarelo apresenta a seus fiéis requinte no altar-mor talhado em madeira e na pintura da capela-mor feita por José Patrício da Silva Manso. O edifício foi um dos primeiros a ser tombado como patrimônio pelo IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 1938.
igreja

Protegida pelo olhar de Domingos Fernandes – eternizado em um monumento na praça da Independência – surge a igreja Nossa Senhora do Carmo, que nos dias de hoje conserva os detalhes de sua fachada original, datada do início do século 18. Com pinturas produzidas pelo padre Jesuíno do Monte Carmelo, a igreja destaca um anjo mulato. Em uma outra praça – a de Padre Anchieta, onde a história de Itu foi iniciada – estão localizados de um lado a igreja do Bom Jesus de Cana Verde e de outro o marco dos 400 anos da cidade, celebrados em fevereiro deste ano. A construção religiosa foi inspirada na catedral San Giovanni in Laterano, com grandes arcos e esculturas dos quatro evangelistas.

Para um roteiro religioso completo pelas ruas de Itu, é imprescindível adentrar os limites da Igreja de Santa Rita, a igreja original mais antiga da cidade. História pura pulsando a sua frente! Fundado em 1728, à base de pau-a-pique, o templo situado na rua de mesmo nome recebia tropeiros que ali pediam proteção à santa para então seguirem viagem. Estique o tempo para conhecer também as igrejas São Benedito (rua Santa Cruz) e Nossa Senhora do Patrocínio (praça Regente Feijó), e o Cruzeiro de São Francisco, que foi esculpido no século 18 e representa o único resquício do que foram as edificações dos frades franciscanos.

É DE ITU?
A andança pelas ruas de Itu naturalmente perpassa por uma dezena de outras casas e casarões do passado, mas também, leva ao contato dos simpáticos ituanos, que buscam a sombra de árvores para relaxar o almoço contando bons “causos”. Aliás, de um bom “causo” se fez a cara da cidade. Já que, se no século 19 o naturalista Auguste de Saint-Hillare atenta em documentos para a grandiosidade das frutas e legumes produzidos em Itu, na década de 60, o humorista Francisco Flaviano de Almeida – o Simplício do programa Praça da Alegria – sedimenta numa brincadeira a idéia de que tudo em Itu é exageradamente grande. Hoje, frente a tudo o que é graúdo, questiona-se: “é de Itu?”.
EDIT

Da fama, a cidade fez a sua identidade espalhando por sua extensão algumas relíquias como os gigantescos hidrante, semáforo e orelhão, localizados na avenida Barata Ribeiro e na praça Padre Miguel, respectivamente. No entorno da praça estão pequenas lojas que multiplicam idéias de souvenires grandiosos, variando de pentes de cabelo com mais de 30 centímetros a violões com cerca de 1,70 metros. Na sequência dos objetos, nasceram algumas maravilhas como a pizza de metro e o sorvete de Itu, que você já pode imaginar o tamanho. Ainda sem data de abertura, a secretaria de turismo programa a Praça dos Exageros, que contará com esculturas e brinquedos certamente imensos. O projeto está em fase de desenvolvimento e deve ser lançado nos próximos anos. Até lá, Itu se apóia na fama já construída para outros desafios, como, por exemplo, mostrar sua grandiosidade para visitantes de outros países, durante a realização da Copa do Mundo de Futebol de 2014, quando pretende acolher uma das seleções participantes do evento esportivo.

Enquanto os próximos anseios da cidade tomam forma, Itu e ituanos seguem em compasso tranqüilo, com uma vida emoldurada pelos detalhes concedidos pelo capricho da natureza e pela riqueza de uma arquitetura secular que, juntos, revelam a região como uma gigante de belezas em todas as suas fronteiras.

Parque do Varvito
Mais afastado do centro da cidade está localizado o Parque do Varvito, uma das principais atrações de Itu por reunir rochas sedimentares formadas no fundo de um lago, durante o período glacial, ocorrido há 260 milhões de anos. Tais rochas são chamadas varvitos, e passaram a integrar as calçadas, pisos residenciais e edifícios públicos, apenas a partir do século 18, exemplos disso são as a escadaria da igreja Nossa Senhora Candelária e a entrada do Museu Republicano. A área de 44 mil metros quadrados divide o espaço entre espécies variadas da flora e um grande paredão onde é possível apreciar as variações do varvito. Para chegar a este parque basta seguir para a rua do Parque do Varvito, s/nº.

Personagens Ilustres
Além do saudoso Francisco Flaviano de Almeida, outros ilustres personagens da história são ituanos, como o pintor Almeida Junior, o ex-presidente Prudente de Morais, Antonio Francisco de Paula Souza, um dos fundadores da Escola Politécnica de São Paulo, e o compositor Elias Lobo.

Rua do Comércio
A cidade de Itu oferece roteiros facilmente completados a pé, por isso, com sapatos confortáveis parta para as ruas ituanas para desbravar alguns de seus charmosos bares e restaurantes, bem como, suas lojas de souvenires. Um dos pólos do comércio é a movimentada rua Floriano Feixoto que concentra praticamente todos os serviços que você precisar.

Para saber mais:
www.itu.sp.gov.br


Flávia Lelis, editora de conteúdo online e amante de viagens por natureza

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

comentários

INSTAGRAM
SiGA A GENTE
Translate »