VOCÊ ESTÁ LENDO

Bradesco: inclusão e diversidade

Bradesco: inclusão e diversidade

Para que uma sociedade viva bem e evolua, o primeiro passo é aceitar e respeitar as pluralidades e singularidades, de forma que nenhuma pessoa seja excluída e que todos tenham as mesmas chances. E para que isso aconteça, é necessário respeitar o outro e entender os seus desafios. E é justamente esse o objetivo do banco Bradesco, inspirar, colaborar e desconstruir conceitos enraizados que distanciam pessoas. E para falar sobre isso, o Seu Podcast de Turismo, neste episódio, conversou com Claudiene Mortimer, líder da equipe de UX de inclusão, e com a Debora Fonseca, que integra a equipe de Comunicação Digital do Bradesco.

Nascendo como um banco voltado para a inclusão social, o Bradesco foi fundado em 1943 em Marília, interior de São Paulo, com o objetivo de atrair pequenos comerciantes que não tinham acesso a empresas bancárias. De lá para cá, hoje a instituição é uma das principais protagonistas no mercado econômico do país, fato que também está ligado com os seus projetos que visam valorizar a diversidade.

Bradesco: inclusão e diversidade

Em 1998, o Bradesco impactou o mercado e toda a população quando lançou o Virtual Vision, software de voz que lê as telas navegadas no computador, ação que mudou a vida de vários deficientes visuais, como a do senhor Laerte Santana.

“O senhor Laerte, deficiente visual, enviou uma carta para a instituição relatando que era correntista do banco e que queria muito ter acesso a conta dele, acompanhar as movimentações que ele fazia. E como a instituição sempre foi pautada na inclusão, deu início a vários projetos para que não apenas o senhor Laerte fosse atendido, mas também outras pessoas”, conta Claudiene Mortimer.

Projetos

Dando continuidade a esses projetos, em 2005 o Bradesco lançou o autoatendimento com acessibilidade; em 2006 disponibilizou o SAC para pessoas com deficiência auditiva ou de fala; em 2007 lançou o extrato em braile e impressão ampliada; em 2011 promoveu libras no “abra a sua conta”; em 2013 lançou a intérprete digital de libras do Bradesco; e 2017 disponibilizou o Bradesco digital libras.

Para Debora Fonseca, que integra a equipe de Comunicação Digital do Bradesco, é preciso ouvir as necessidades dos usuários, pois só assim é possível trabalhar de forma justa e democrática, e transformar a sociedade.

“É muito importante que a gente lute por uma sociedade igualitária, que inclua dispositivos digitais para pessoas deficientes ou que não tem recursos para ter acesso a esses aparatos. É por isso que estamos empenhados cada dia mais para que todos os clientes consigam consumir o nosso conteúdo”, destaca Debora.

Quer saber mais sobre o Bradesco e os seus projetos de acessibilidade? Confira a entrevista completa através do Seu Podcast de Turismo, nas plataformas Spotify, Google Play e Apple.

 

 

 

 

Play

Deixe um comentário

comentários

INSTAGRAM
SiGA A GENTE
Translate »