VOCÊ ESTÁ LENDO

Conquiste-nos pela boca

Conquiste-nos pela boca

Nos bastidores do jornalismo corre sempre a piada de que jornalista é esfomeado e está sempre atrás de uma “boquinha”, principalmente, durante as coletivas de imprensa. Mas também sejamos sinceros: há ser mais sem horário do que um jornalista? Em virtude das pautas, é impossível ter horário para café da manhã, quanto mais para almoço, mesmo que este seja uma simples coxinha. Por outro lado, quando a gente viaja pelos destinos do mundo, há a chance de ir à forra e experimentar – pausadamente – algumas delícias que estão espalhadas por aí. É também a chance de entender a cultura de um país ou cidade através de sua gastronomia. É claro que nem tudo são flores, afinal, o paladar pode ser um mistério, de forma que uma buchada soe como uma comidinha leve para uns, e um filé de carne de búfalo seja algo aterrorizante. E não vale voltar para redação sem a pauta, então, os garfos têm que entrar em ação. Mas não estou a fim de assustá-los, e fiz uma seleção com apenas alguns dos maravilhosos pratos que já andei experimentando ao longo de minhas andanças!

CHILE – em Puerto Varas a vida ficou bem mais gostosa com esse pudim acompanhado de frutas vermelhas
chile

BARBADOS – a Macaroni Pie é um dos pratos mais tradicionais, e consiste, literalmente, em uma torta de macarrão sempre bem apimentada
barbados

BELÉM – esse líquido é tucupi, retirado da mandioca brava e usado para pratos típicos, como o pato no tucupi e o arroz no tucupi. Mas ele é fortíssimo, portanto, vá com calma
belém

JORDÂNIA – o país é marcado por mesas fartas, então, há muito pão, patês de ervas e grãos, conservas e Fattoush, essa salada ao centro, à base de pepino, tomate, rabanete e verduras
jordânia

MATA DE SÃO JOÃO – no hotel Gran Palladium Imbassaí pedi para o chef preparar um prato indiano, e apreciei arroz com ervilhas, e este camarão apimentado que me rendeu dezenas de copos d’água, mas estava delicioso
mata de são joão

PUNTA CANA – estava em busca de um prato típico da região e me foi oferecido o Chivo Criollo, que em tradução livre seria, bode preto. Após cozimento por horas intermináveis, ele foi servido com arroz branco
punta cana

RIO DE JANEIRO – por mais que fuja à regra, em terras cariocas fui à Confeitaria Colombo para voltar completamente apaixonada por seus pastéis de Belém
rio de janeiro


Flávia Lelis, editora de conteúdo online e amante de viagens por natureza

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

comentários

INSTAGRAM
SiGA A GENTE
Translate »
>