VOCÊ ESTÁ LENDO

Entrando numa fria na Argentina

Entrando numa fria na Argentina

Visitar Foz do Iguaçu é como aquelas promoções do supermercado: leve três pague um. Só que, no caso, ao invés de mercadorias, a gente leva países. E foi assim que eu passei uma noite de sábado na Argentina.
BTN22_RaphaAretakis (1 de 4)
Proximidade permite um fim de semana na Argentina

Num pé lá e outro cá, me vi conhecendo um pouco da vida noturna de Puerto Iguazú. Começando por uma gelada – e quando falo gelada eu quero dizer o sentido literal – a brincadeira tem início no Icebar Iguazú. Devidamente paramentados, somos confinados numa salinha a menos dez graus de temperatura. Num open bar que dura meia hora podemos tomar drinks e ouvir música latino-americana, vai de reggaeton a axé, passando pelo hit do momento, El Taxi, ao hit de outrora, Lepo Lepo. O mérito da dança vai para o frio, pois se “quem canta os males espanta”, quem dança fica quentinho, quentinho…
BTN22_RaphaAretakis (2 de 4)
Experiência no Icebar é destaque em Puerto Iguazú

No calor do momento poucas coisas vêm à cabeça, a menos 10 graus, meia hora parece uma eternidade, ainda assim paro para pensar: Como será que os copos (obviamente de gelo) são lavados? Quem foi a última pessoa a enfiar a mão na minha luva ou a vestir o casacão que me aquecia? Impressionante como a mente da gente funciona em apenas 30 minutos, no meio de uma experiência engraçadíssima, lutando para não morrer de frio.
BTN22_RaphaAretakis (3 de 4)
Continuo com dúvidas em relação ao meu copo

Depois que deixamos o iglu gigante a sensação de calor é quase automática. O grupo estava animadíssimo, não por efeito do open bar, certeza, mas pelo calorzinho de 18 graus que fazia lá fora. E já que todo mundo espera alguma coisa de um sábado à noite, eu espero que meus outros sábados sejam tão inusitados quanto esse sábado à noite na Argentina.
abred
Turistas curtiram ficar congelados por meia hora

* Visitei Foz do Iguaçu a convite da Loumar Turismo.


Rapha Aretakis é travel writer e criadora do Raphanomundo. Recifense, acredita que o mundo é muito grande para continuar parada no mesmo lugar. Hoje vive em Curitiba após temporadas em Stuttgart, Berlim e São Paulo. www.raphanomundo.com

Artigos Relacionados

Deixe um comentário

comentários

INSTAGRAM
SiGA A GENTE